Um grupo de empresas privadas locais e internacionais irão investir nos próximos meses em San Juan mais de US$ 250 milhões para realizar sete projetos de energia solar, o que vai permitir a geração de energia limpa e abastecer milhares de habitantes de diferentes regiões do país, disse o chefe da empresa Energía Provincial Sociedad de Estado (EPSE), Víctor Doña.

"Os sete projetos de energia solar leiloados, quatro deles em uma parceria entre as empresas privadas e a EPSE, irá adicionar 213 MW de potência", disse o funcionário, que antecipou que, após a assinatura dos contratos de concessão com a Cammesa, prevista para o próximo mês de abril, "terão início as obras" no interior da província.

Para Doña, San Juan tem um diferencial em relação às outras províncias do país. "Somos a primeira província na Argentina que lançou e desenvolveu uma indústria local de painéis fotovoltaicos", afirmou.

A província foi beneficiada pelos projetos Ullum N1 e N2, que fornecerão 50 MW; Ullum 3 e 4, mais 46 MW; Iglesia-Guañizuli, 80 MW; Sarmiento, 35 MW; e Las Lomitas, outros 2 MW. "O potencial é enorme", afirma Doña.

Ao contrário de outras regiões do país, San Juan é a primeira província em nível nacional a abrigar um projeto de desenvolvimento de energia renovável, que inclui toda a cadeia produtiva e que irá resultar, em julho ou agosto deste ano, no primeiro lote de painéis fotovoltaicos 100% fabricados pela indústria local.

"A estratégia de San Juan é aliar a mineração à energia limpa ou verde, fabricar alguns componentes para produzir eletricidade e transferir a experiência da nossa província a outras que tenham boas condições" para o desenvolvimento energético renovável.

O responsável destacou que, "de forma geral, a província tem capacidade para desenvolver energias renováveis ​​porque estamos em uma área com boa radiação solar. Estamos trabalhando desde 2008 em função de uma decisão estratégica de Estado".

"Começamos este ano a desenvolver a energia solar, mas desde a fabricação de alguns componentes até a geração de energia elétrica e, desta forma, tentar unir vários setores da economia de San Juan", afirmou.

O projeto inclui a geração de energia, a fabricação dos painéis fotovoltaicos e o apoio de um centro tecnológica que permita atividade de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Ele destacou o fato de a região "ter uma grande quantidade de minerais, sobretudo quartzo muito boa qualidade; também é possível extrair silício, um dos minerais usados na produção de células fotovoltaicas."