Zenvia apresenta novo diretor de negócios corporativos

A Zenvia, líder brasileira no mercado de serviços móveis, anunciou Fábio Matias como seu novo diretor de negócios corporativos. A contratação faz parte da estratégia de crescimento e expansão da companhia.

Fábio irá atuar no posicionamento de mercado e no fortalecimento da relação da empresa com clientes e operadoras. Além disso, o novo diretor desenvolverá ações comerciais e de marketing, colaborando com novas soluções de interação digital.

“Estou muito animado com esta nova oportunidade. Há muita complementaridade nas experiências formadas e adquiridas pela Zenvia e me sinto motivado em poder contribuir diretamente com a estratégia de crescimento e expansão da empresa”, afirma o executivo.

Fabio Matias é formado em ciências contábeis pela Universidade da Região de Joinville (Univille), possui MBA Empresarial pela Fundação Dom Cabral, MBA em Marketing pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e MBA em Identidade Empresarial pela Formação Ontopsicológica Interdisciplinar Liderística (FOIL). O diretor tem experiência na gestão de negócios em software, marketing estratégico, gerenciamento de produtos e vendas, e já atuou em empresas como Datasul, TOTVS, Bematech, Localiza e Grupo Interplayers.

PoloAr Ar Condicionado anuncia Jorge Miranda como novo gerente comercial

A PoloAr Ar Condicionado, empresas do setor de climatização e refrigeração de ar, anuncia a contratação de Jorge Miranda como novo gerente comercial. Com mais de 20 anos de experiência atuando no mercado, o profissional tem passagem por empresas como Springer Carrier, Coca-Cola, Midea Carrier e Ambient air.

“Estou feliz por ser parte da família PoloAr, que é uma empresa brasileira de grande tradição. Espero com minha experiência contribuir ainda mais para sua estratégia de crescimento programada para este ano. Queremos com nosso trabalho buscar todas as oportunidades possíveis para aumentar ainda mais nossas vendas”, comenta Jorge Miranda.

Juan Pablo de Vera reassume a UBRAFE

Juan Pablo de Vera, presidente do Conselho de Administração do SPCVB e CEO da Reed Exhibitions Alcantara Machado, é novamente o presidente do Conselho de Administração da União Brasileira dos Promotores de Feiras (UBRAFE) para o período de 2016 a 2018.

Esta é a segunda vez que o uruguaio assume o comando do conselho da entidade privada que congrega e representa as empresas responsáveis pela realização das mais de 200 principais feiras de negócios brasileiras. Anteriormente Juan havia ocupado o mesmo posto durante o biênio 2012-2014.

Chubb nomeia líder de Accident & Health e Life Insurance para a América Latina

A Chubb, seguradora de propriedades e responsabilidades de capital aberto, anunciou a nomeação de Juan Manuel Merchan como Senior Vice President, Accident & Health and Life Insurance para a América Latina.

Antes da aquisição pela ACE da The Chubb Corporation, no início de 2016, Merchan atuou como Country President da ACE para a Colômbia. Em sua nova função, ele será responsável pelo desempenho e futuro desenvolvimento dos negócios de acidentes pessoais, saúde e vida para a América Latina. O VP ficará baseado em Miami e se reportará a Jorge Luis Cazar, Regional President da América Latina, bem como a Ed Levin, Division President, Accident & Health, Overseas General Insurance e a Russell Bundschuh, President Chubb Life.

Merchan sucede Fabiola Franco, que foi nomeada Senior Vice President, Accident & Health Business Development, Overseas General Insurance.

Américo Figueiredo assume como COO na Fellipelli Consultoria

O executivo Américo Figueiredo assume as funções de COO (Chief Operating Officer) na Fellipelli Consultoria de Diagnóstico e Desenvolvimento Organizacional, empresa líder em Instrumentos de Diagnóstico direcionados ao autoconhecimento, carreira, desenvolvimento pessoal e organizacional.

O novo COO comandará as operações de todo o Grupo Fellipelli, em São Paulo e Rio de Janeiro, bem como do NLI Brasil, que representa no país o NeuroLeadership Institute (EUA), detentor de uma metodologia exclusiva e comprovada por estudos da neurociência aplicada.

Figueiredo traz para a Fellipelli a expertise em gestão e o relacionamento adquirido na área de recursos humanos no Brasil e a missão de coordenar uma reestruturação estratégica com foco para 2017, com o desenvolvimento e identificação de novas linhas de negócios.

“Entendemos que o mercado está se protegendo e, embora seja necessário ter cautela, também precisamos acreditar, preparar-se com disciplina, e seguir adiante para alçar voos maiores. É um grande desafio que temos pela frente, mas estou otimista com o potencial de negócios da Fellipelli, sobretudo com os profissionais altamente qualificados que temos para seguir adiante”, afirma Figueiredo.

Américo Figueiredo, que é mestre em Administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, ocupou nos últimos sete anos a vice-presidência de RH da Nextel Brasil e a presidência do Instituto Nextel, ONG para a inserção no mercado de trabalho, de jovens em situação de vulnerabilidade social. Atualmente, dedica-se ao Comitê de Criação do CONARH 2016 da ABRH. Também foi diretor de RH da Divisão Global Business Services da IBM América Latina e fez parte do time que liderou a aquisição e incorporação da PwC Consulting, o que permitiu a consolidação da IBM como empresa prestadora de serviços de Tecnologia da Informação.

Presidente da Statoil deixa cargo para assumir comando de britânica BG

Oslo/Londres- O presidente-executivo da Statoil, Helge Lund, renunciou de forma
inesperada ao cargo nesta quarta-feira para assumir as rédeas da rival
menor BG, onde ele recebeu a promessa de um grande aumento de salário
caso consiga recuperar a combalida produtora britânica de petróleo e
gás.

Lund, que em 10 anos transformou antiga estatal
norueguesa focada no mercado doméstico em uma grande petroleira
internacional de 77 bilhões de dólares, agora enfrenta um novo conjunto
de problemas na BG, terceira maior empresa de energia da Grã-Bretanha,
que tem enfrentado dificuldades após uma série de reduções na produção
custaram o cargo ao presidente-executivo anterior.

"(Lund) construiu um portfólio de exploração e produção
de classe mundial na Statoil, e a companhia agora é amplamente admirada
por sua experiência técnica, desempenho financeiro, e cultura forte e
baseada em valores", disse o presidente do Conselho da BG, Andrew Gould.

As ações da BG acumulam queda de 20 por cento desde o
começo do ano, uma vez que seu importante negócio de gás no Egito vem
registrando um desempenho desastroso devido à produção menor para
exportações, e seus enormes investimentos no Brasil ainda precisam
provar seu valor.

Analistas sugeriram que a companhia pode estar melhor
focada se fizer a cisão do bem-sucedido negócio de gás natural
liquefeito (GNL) ou de suas participações em águas ultraprofundas no
Brasil, que prometem mais de 6 bilhões de barris de petróleo equivalente
em reservas recuperáveis.

"Para líderes, chega um momento quando é certo seguir
em frente, tanto para a empresa que administram quanto para eles
próprios", disse Lund, acrescentando que foi a BG que o abordou entre
seis e oito semanas atrás.

"Eu queria mais um desafio de liderança", disse Lund,
nativo de Oslo que completará 52 anos na quinta-feira. "Acho que estou
muito jovem para aposentadoria. Este é um desafio que acho animador, e
essa é a principal motivação."

Lund, que começará na BG em 2 de março, se tornou o
primeiro presidente-executivo da Statoil a deixar a empresa controlada
pelo governo voluntariamente. O governo norueguês agora está buscando
presidentes-executivos para três de suas maiores firmas, com cargos
vagos também na Telenor e Yara International.

Zeinal Bava pede demissão de presidência da Oi

Rio de Janeiro - O presidente-executivo da Oi, Zeinal Bava, renunciou ao cargo
nesta terça-feira, informou a companhia, ampliando as especulações no
mercado sobre o futuro da fusão da operadora de telecomunicações
brasileira com a Portugal Telecom.

As funções de Bava serão assumidas temporariamente pelo
atual diretor de Finanças e de Relações com Investidores, Bayard
Gontijo, informou a companhia. Ele ficará no cargo até que o Conselho de
Administração indique outro executivo para o posto.

Eleito diversas vezes o melhor CEO do setor de
telecomunicações na Europa após presidir a Portugal Telecom, Bava
assumiu a Oi em junho de 2013 com objetivo de liderar a fusão com a
empresa portuguesa, negócio apontado como necessário para melhorar a
posição financeira da operadora brasileira e dar mais fôlego frente à
concorrência no mercado brasileiro.

No entanto, o calote de uma dívida de quase 1 bilhão de
euros da Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo, que é o principal
sócio da Portugal Telecom, ameaçou a união luso-brasileira em julho.

Na ocasião, os controladores da Oi, que faziam parte do
Conselho da Portugal Telecom, pediram para sair do órgão, alegando que
não tinham sido informados da dívida pelos sócios portugueses antes de a
informação ter sido divulgada pela imprensa.

Para garantir a fusão, a Portugal Telecom teve que
reduzir sua fatia na CorpCo, empresa a ser criada após a conclusão do
processo de união.

Para analistas, desde então as relações entre os controladores das duas empresas se complicaram.

"Bava era uma força muito grande nessa fusão", disse
Ari Lopes, analista para América Latina da consultoria de
telecomunicações Ovum. "O ponto agora é saber quem vai entrar no lugar,
se é algum executivo da Portugal Telecom. (Caso contrário), pode ser uma
pista de que essa fusão está desandando", disse.

"A saída de Bava também é ruim por ser o terceiro
presidente a sair em cerca de quatro anos. Essa mudança constante
atrapalha a gestão da empresa, falta à Oi estabilidade para resolver
seus problemas", acrescentou Lopes.

Altice

Na segunda-feira, em mais um sinal de marcha ré no
processo de fusão entre Oi e Portugal Telecom, uma fonte disse à Reuters
que a francesa Altice, do bilionário Patrick Drahi, pretende adquirir
os ativos portugueses da Oi.

Mais cedo nesta terça-feira, a Oi, que tinha uma dívida
de 46 bilhões de reais ao fim do primeiro semestre, afirmou que poderá
vender ativos não estratégicos e participações em empresas controladas,
mas que "até a presente data" não havia decisão sobre possível venda de
ativos em Portugal.

Para analistas, uma venda dos ativos portugueses, que
são os ativos da Portugal Telecom, significaria o cancelamento da fusão
entre as duas companhias. Paralelamente, há conversas relacionadas a
eventual fusão entre TIM Participações e Oi no Brasil.

Na sexta-feira, uma fonte com conhecimento do assunto
disse à Reuters que a TIM contratou o banco de investimento do Bradesco
para analisar uma oferta para compra da Oi.

As conversas ocorrem depois de a Oi ter contratado o
BTG Pactual em setembro para analisar uma possível oferta conjunta com a
América Móvil pela TIM .

Herbalife contrata ex-reguladora dos EUA para time de governança

Washington - A Herbalife, empresa de produtos de controle de peso, bebidas
energéticas e suplementos nutricionais que tem sido alvo de investigação
por parte da Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) dos
Estados Unidos, bem como de outras agências, contratou uma
ex-funcionária da FTC para o cargo de vice-presidente de governança.

A Herbalife divulgou a nomeação de Pamela Jones
Harbour, que foi comissária da FTC entre 2003 a 2010, para o cargo de
vice-presidente sênior. Ela será responsável pela equipe de governança
da empresa de 300 membros e coordenará a governança global da companhia.

A Herbalife disse mais cedo neste ano que estava sendo
investigada pela FTC depois de alegações de que era um esquema de
pirâmide.

A Herbalife está sob fogo do bilionário investidor
William Ackman, que foi o primeiro a afirmar que a empresa é um esquema
de pirâmide. Seu fundo de hedge Pershing Square Capital Management, de
14,7 bilhões de dólares, revelou uma aposta a descoberto de 1 bilhão de
dólares contra a Herbalife em dezembro de 2012.

A Herbalife rejeitou as alegações, e pediu que o
regulador do mercado dos Estados Unidos, a Securities and Exchange
Commission, investigasse se os vendedores a descoberto tinham manipulado
ilegalmente o mercado.

Barclays escolhe McFarlane, da Aviva, como novo presidente do Conselho

Londres - O Barclays afirmou que o novo presidente de seu Conselho será o
veterano do ramo bancário e de seguros John McFarlane, que terá a tarefa
de supervisionar os esforços do banco britânico para melhorar sua
cultura, normas e performance corporativa.

McFarlane, um escocês, deixará o posto de presidente do
Conselho de Administração da seguradora britânica Aviva e assumirá o
cargo no Barclays em abril.

O banco vinha buscando uma substituição forte para
David Walker, que tem 74 anos e está no cargo de presidente do Conselho
desde novembro de 2012. Junto com o presidente-executivo Antony Jenkins,
ele tentou melhorar a cultura corporativa da instituição após uma série
de escândalos elevarem temores sobre as normas fiscais em vigor no
banco.

McFarlane, de 67 anos, foi presidente-executivo do
Australia and New Zealand Banking Group por 10 anos até 2007 e passou a
comandar o Conselho de Administração da Aviva em julho de 2012, tomando
algumas decisões difíceis para reestruturar um negócio com desempenho
abaixo da média.

Nissan diz que contratará executivo da BMW para liderar marca de luxo Infiniti

Tóquio - A Nissan Motor está contratando o executivo da BMW Roland Krueger
para liderar sua marca de luxo Infiniti, disse a montadora japonesa
nesta quarta-feira, conforme se esforça para estabelecer a marca no
mercado global de carros premium.

A Nissan tem buscado um novo chefe para a Infiniti
desde julho, após Johan de Nysschen, ex-executivo da Audi, deixar a
marca para liderar a divisão Cadillac da General Motors.

Mais cedo neste mês, a marca enfrentou outro revés
quando o presidente do Conselho da Infiniti, Andy Palmer, que também era
um executivo sênior da Nissan, deixou a montadora para liderar a Aston
Martin.

A Nissan disse que não determinou a data de início para
Krueger, alemão de 48 anos que recentemente atuou como vice-presidente
sênior do BMW Group. Ele liderou as operações da BMW no Japão de 2008 a
2012.

Krueger, que iniciou sua carreira no mercado automotivo
como designer, terá a tarefa de elevar o perfil global e as vendas da
Infiniti para competir com marcas como BMW e Audi, controlada pela
Volkswagen, conforme os veículos da Infiniti passam por uma renovação de
design.

No ano fiscal da empresa até março, a Infiniti vendeu 180 mil veículos globalmente, cerca de um décimo das vendas da Audi.

Páginas