O presidente Michel Temer disse nesta quinta (12) que as recentes mudanças de ministros em seu governo não alterarão o trabalho que vinha sendo desenvolvido.

O que será feito pela nova equipe é “um trabalho de continuidade”, afirmou o presidente na primeira reunião com os ministros após a mudança dos titulares de dez pastas. Temer acrescentou que não será “razoável nem admissível” promover mudanças na condução das pastas.

“Bem-vindos ao trabalho. Ao trabalho que é da continuidade. Que nós possamos prosseguir com as mesmas teses, com os mesmos programas, e com as mesmas vitórias que nós temos tido nesses quase dois anos de governo”, disse o presidente durante a primeira reunião ministerial com a nova equipe de seu governo, montada após alguns dos ex-ocupantes terem deixado a pasta para se candidatar a cargos públicos nas eleições de 2018.

Temer disse que mudanças de rumo nos trabalhos desenvolvidos pelas pastas não serão admitidas. “Ressalto muito a palavra de continuidade porque às vezes um ministro entende que pode chegar e mudar a estrutura do ministério. Isso não é razoável e nem admissível”, acrescentando que ainda haverá novos programas de governo.

Dez dos 29 ministros foram trocados e empossados na última terça-feira. No Ministério da Educação está Rossieli Soares; no do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame. A Fazenda está a cargo de Eduardo Guardia; o Planejamento, de Esteves Colnago; o de Minas e Energia, de Moreira Franco; o Esporte está sob a gestão de Leandro Cruz Fróes da Silva; o Turismo, com Vinicius Lummertz; a Integração Nacional, com Antônio de Pádua de Deus; a Indústria, Comércio Exterior e Serviços, com Marcos Jorge; o Ministério dos Direitos Humanos, com Gustavo Rocha; e o do Trabalho, com Helton Yomura.