Com o ingresso da Level, a low cost do grupo IAG (Iberia e British) na rota entre Buenos Aires e Barcelona, a Aerolineas Argentinas preferiu optar pelo cancelamento da rota considerada ‘não inteiramente rentável’ e que sofrerá mais uma forte concorrência com a entrada em fevereiro de 2018 da Norwegian na mesma ligação, outra empresa de baixo custo. 

A companhia argentina já havia diminuído de cinco para três voos semanais os voos entre Buenos Aires e a Catalunha, agora a decisão de cancelar a rota a partir deste 1 de dezembro.  O comunicado oficializando a suspensão indica ‘razões comerciais’.

Mario Dell’Acqua, presidente da Aerolineas, assegura que ‘a análise do desempenho mostra que esta é uma rota internacional com resultados débeis, justamente por não contar com uma frequência diária. Entre as variantes para suprir a saída, aponta o code-share com a Air Europa a partir de Madrid.

E será um profissional que foi um dos fundadores da Air Europa quem vai dirigir a expansão europeia anunciada pela Air Panama. Tomás Cano será o diretor de expansão da empresa na Europa.

Cano assume com o objetivo de implementar o crescimento das rotas internacionais da empresa panamenha que promete muitas novidades para 2018. A empresa conta com escritórios que terão o seu comando em Madrid, Londres e Santiago de Chile.

Retornando à Norwegian e seus planos para o próximo ano, a nova low cost que promete um aumento no cenário argentino, o CEO da empresa, Ole Christian Melhus, confirmou que no dia 14 de fevereiro começará a operação da rota entre Londres e Buenos Aires. Serão quatro frequências semanais e desde o aeroporto de Gatwick, na capital britânica, permitirá várias conexões europeias nas rotas da Norwegian.

A nova empresa low cost também confirmou que terá operações de voos a partir do Aeroparque, no centro da capital argentina e utilizará o aeroporto alternativo de El Palomar para as operações internas de baixo custo.

A Norwegian Air Argentina (NAA) solicitou a autorização de 155 rotas para voos nacionais e internacionais, 70 e 80, respectivamente. Suas operações iniciais terão seis aviões Boeing 737-800 e ao final do primeiro ano pretende contar com o dobro de aeronaves.

Segundo Melhus, a Norwegian pretende impulsionar na Argentina o mesmo esquema de operações que atualmente tem na Europa.  A intenção posterior à consolidação é estender-se por outros países sul-americano, Uruguai, Paraguai e o Brasil, caso surjam modificações no procedimento com companhias estrangeiras.