O desenlace ocorre depois de cinco anos, ou seja, todas as edições da World Travel Market Latin America realizadas em São Paulo. Não houve acordo para a renovação do acordo anterior, a nova proposta – embora com bases quase semelhantes – não foi aceita pela associação dos operadores que decidiu em assembleia na semana passada pela não participação no evento deste ano.

 “Continuaremos viabilizando a participação das operadoras de turismo na WTM Latin America”, garante Luciane Leite, diretora-geral do evento, ao apresentar o Tour Operators Area, espaço nobre que foi ocupado pela Braztoa, 40 estandes de 9m2. A partir de hoje, com negociação aberta junto às operadoras de turismo, incluindo aquelas não associadas à associação. Incluindo uma condição especial no valor negociado.

Luciane reconhece houve uma longa negociação, mas não foi surpresa a discordância da maioria. “Sempre tivemos uma relação muito boa com a Braztoa e seus dirigentes, porém para a edição deste ano e o novo contrato, tivemos que propor adaptações que não foram aceitas. E não chegamos a um denominador comum”.

Dentro do plano de interesses comerciais, a partir desta edição, serão dois formatos principais na área das operadoras: o Tour Operators Area e os estandes próprios, que já eram disponibilizados anteriormente.

A 6ª edição do evento, entre 3 e 5 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo, segue com o atrativo de reunir o maior elenco de participantes com foco na geração de negócios do turismo, principalmente para o continente. Ainda sem anuncio oficial dos expositores – com as devidas assinaturas de contratos – a coordenação da WTM LA garante a participação de praticamente todos os países da América do Sul, exceto a Venezuela, por questões diplomáticas.

Já estão garantidos também Costa Rica, El Salvador e Panamá, da América Central, bem como o México da América do Norte.

Durante a sua operação e cinco edições no Brasil, WTM LA foi responsável por gerar U$$ 2 bilhões (R$ 6,3 bilhões) em negócios no setor de turismo, U$ 374,4 milhões em 2017, quando o evento atraiu quase 8 mil visitantes e profissionais.

“A WTM Latin America está empenhada em investir nas operadoras de turismo do mercado brasileiro, proporcionando oportunidades para a realização de negócios junto aos buyers internacionais. Uma conexão direta com o setor que cresce no mundo inteiro”, ressalta Luciane Leite, executiva que terá o seu primeiro ano como diretora do evento.

Ela ainda garante que várias das principais operadoras associadas as da Braztoa já realizaram consultas diretas e sinalizaram que estarão participando da feira, provavelmente como expositoras – como o caso da CVC e suas empresas coligadas. Também o grupo Flytour já indicou esta possibilidade.

No cenário e ambiente das feiras de turismo do mercado brasileiro, a WTM foi quem mais cresceu nestes anos, por força do seu portfólio e do gigantismo internacional da Reed, a maior organização do setor, e que a partir da WTM London, em novembro, tem uma expansão mundial que se destaca também nas edições da WTM Africa (Cidade do Cabo,) e da Arabian Travel Market (Dubai), ambas em abril.

A Braztoaa continuará parceira associada da Abav Nacional para o evento de setembro (em São Paulo), enquanto as duas tradicionais feiras do interior – Aviesp em Campinas e Avirrp em Ribeirão Preto – já deram suas largadas para os eventos programados neste ano.