O mercado financeiro reduziu a projeção para o crescimento da economia este ano. De acordo com a pesquisa do Banco Central (BC) junto a instituições financeiras, a estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) caiu pela terceira semana consecutiva.

Desta vez, a projeção passou de 2,80% para 2,76%. Há quatro semanas, a estimativa estava em 2,83%. Os dados constam do Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central às segundas-feiras.

O mercado financeiro também tem alterado a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA – a inflação oficial do país) passou de 3,53% para 3,48% na décima-primeira redução consecutiva.

A projeção segue abaixo do centro da meta de 4,5%, mas acima do limite inferior de 3%. Para 2019, a estimativa para a inflação foi ajustada de 4,09% para 4,07%, abaixo do centro da meta (4,25%).

Para alcançar a meta, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano. De acordo com a previsão do mercado financeiro, a Selic encerrará 2018 em 6,25% ao ano e subirá ao longo de 2019, encerrando o período em 8% ao ano.

IGP-10 sobe

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços 10 (IGP-10) ficou em 0,56% em abril deste ano, percentual superior ao de março (0,45%).

Em abril do ano passado, o índice havia registrado deflação (queda de preços) de 0,76%. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o indicador acumula inflação de 2,04% no ano e de 1,31% em 12 meses.

O aumento da taxa de inflação foi puxado pelos três grandes segmentos do IGP-10: atacado, varejo e construção civil. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, passou de 0,63% em março para 0,70% em abril.

O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, subiu de 0,10% em março para 0,28% em abril. Já o Índice Nacional de Custo da Construção passou de 0,12% em março para 0,30% em abril. O IGP-10 é calculado com base em preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.