O governo da Venezuela afirmou que o helicóptero que sobrevoou o Tribunal Supremo e atacou também o Ministério do Interior foi roubado por um policial investigado por “vínculos com a CIA (a agência de espionagem dos EUA)”

O ministro das Comunicações da Venezuela, Ernesto Villegas, afirmou na terça (27) que a aeronave foi furtada da base aérea militar de La Cartola, em Caracas, e que o responsável é Oscar Pérez, inspetor da divisão de transporte aéreo da polícia científica (CICPC).

Em cadeia nacional de rádio e televisão, o ministro afirmou que o “traidor” levou a aeronave até o Ministério da Interior, no centro da capital, e realizou 15 disparos contra o prédio, enquanto no terraço desse órgão governamental era realizado um evento com 80 pessoas.

A seguir, dirigiu-se para a sede do poder Judiciário onde “foram efetuados disparos e lançadas ao menos quatro granadas de origem colombiana e fabricação israelense, das quais uma não explodiu e foi apreendida”.

Em consonância com a opinião do presidente Nicolás Maduro, Villegas afirmou que os ataques fazem parte de “uma escalada golpista contra a Constituição e suas instituições”, e assegurou que Pérez está sendo investigado por seus vínculos com a CIA e a embaixada dos Estados Unidos no país.

O presidente Maduro, cuja aprovação caiu a 20,8% em junho, segundo pesquisas recentes, atribui a seus adversários políticos a responsabilidade por uma tentativa de golpe de Estado contra ele, apoiado por Washington, e atribui os problemas do país a uma “guerra econômica” travada pela oposição.