O grupo Flytour, holding que faturou mais de R$ 5 bilhões durante o ano passado, R$ 560 milhões a mais em relação ao ano anterior, reconhece que as operadoras de turismo foram responsáveis por mais de 40% do faturamento ativo.

Para o CEO Christiano Oliveira, isso mostra um excelente desempenho, que pode crescer ainda mais pelas condições existentes nas ações da Flytour Viagens, que tem sete anos como operadora, e da tradicional MMTGapnet, com mais de 16 anos, e que foi incorporada ao grupo em 2017.

Em tempos de globalização e tendência de fusão de empresas, a consequência natural foi esta: ambas passam a ser uma só operadora.

“Hoje temos características de atendimentos diferenciados dentro das operadoras sob o mesmo comando”, afirmou o CEO. A unificação das marcas fortalece a operação de lazer do grupo no mercado doméstico (característica principal herdada da Flytour Viagens) e internacional (bagagem trazida com a MMT), ampliando atendimento e vendas.

Coube a Michel Barkoczy, presidente de ambas, a confirmação do anúncio do nascimento da FlytourViagens/MMT. Ainda sem programação visual e com inúmeras providências em curso, mas com a certeza de estar sendo constituída “a operadora mais completa do mercado, transformando-se na segunda maior do país”.

Para o anúncio, a direção do grupo convidou os 50 principais agentes de produtividade de cada operadora em São Paulo, iniciando a série que se estenderá em roadshows a partir de março por várias partes do Brasil.

Até agora, a força de mercado representava 60% no nacional para a Flytour, 80% do internacional para a MMTGapnet. “Estar ao lado dos nossos principais parceiros, os agentes de viagens, demonstra a nossa intenção nesta transformação. As duas operadoras se juntam numa só marca, com agilidade e toda a força que isto tem e vai representar”, diz Barkoczy.

Entre as principais novidades, estarão mais produtos e ferramentas, tudo num único portal; um novo conceito de atendimento especializado para as viagens internacionais; um forte alinhamento tecnológico; a divisão de vendas no mercado, um de São Paulo para o Sul, outro do Rio para o Norte e Nordeste; e os profissionais ativos numa equipe única e unida.

A área de grupos também terá melhorias, com atendimento especializado, e cotações e operações integradas.

“Não será apenas o CNPJ, teremos muito CPF para o conglomerado de atuação nas vendas, com apoio e produção operacional para os agentes, a qualquer hora do dia ou da noite”, disse o executivo, ao também apresentar o diretor estratégico e nacional de vendas, Emerson Amaral, que já tem uma longa carreira no grupo.

Ele, seus auxiliares diretos na divisão nacional e parte das equipes já em ritmo de fusão participaram dessa interação com os agentes durante evento realizado nesta terça (27) no hotel Braston SP.

“Dentro de um mês e meio, estaremos correndo à frente, com toda a nossa estrutura de atendimento, juntando as equipes e montando os departamentos”, salientou Barcokzy, que também disse esperar um aumento de 25% nas vendas para o ano pois serão duas operadoras em uma. “Vamos produzir e vender muito mais”.