Em breve os brasileiros que viajarem à Europa, o continente que mais recebe visitantes no planeta, terão que enfrentar um procedimento que vai na contramão da livre circulação. Até agora isentos da exigência, cidadãos de 62 nacionalidades precisarão de visto eletrônico para ingresso na Europa.

O chamado “minivisto” será necessário a partir de 2020, quando passa a valer a medida adotada pelos países que integram a Zona de Schengen. Entre eles estão Espanha, França, Itália e Portugal.

O ETIAS (sigla de European Travel Information and Authorization System), é uma determinação da União Europeia soa a alegação de aumentar a segurança contra ameaças terroristas e imigração ilegal.

Para obter o visto, que poderá ser emitido até 96 horas antes da viagem, o custo será de 7 euros. Será válido para os cidadãos dos países que têm entrada livre, sem visto consular, como Brasil, Argentina, Chile, Canadá, Austrália e Estados Unidos.   

O sistema solicitará informações pessoais dos passageiros, fará uma checagem das viagens anteriores e se o solicitante faz parte de alguma lista no fly.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lembra que a implementação da medida passou a ser discutida em 2016. “Precisamos saber quem está cruzando as nossas fronteiras. Dessa forma, saberemos quem viajará à Europa antes mesmo da pessoa chegar aqui”, diz A obrigatoriedade da medida foi aprovada em abril deste ano e valerá para viagens de turismo, negócios, com objetivos médicos ou mesmo para quem estiver apenas em trânsito.

Quando da solicitação, o pagamento será obrigatório, independentemente da aprovação ou reprovação do visto. Crianças e menores de 18 anos não precisarão pagar. 

Uma vez aprovado, o visto será emitido junto com o aviso de liberação, e o turista terá a permissão de viajar aos países da zona de Schengen por um período válido de três anos. O visto será solicitado antes do embarque no país de origem e antes da entrada no país.

Fazem parte da lista de países que terão a exigência Áustria Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça e Liechtenstein.