Hong Kong lidera a relação das cidades mais visitadas do mundo, de acordo com os resultados do 2017 Top 100 City Destinations, pesquisa do Euromonitor International, que aponta 26 milhões de visitantes em 2016 – com a previsão de aumentar para 44 milhões até 2025. A posição estratégica, sendo um autêntico portal para a China, o relacionamento com o continente, o interesse financeiro internacional e as atrações que a cidade renova e acrescenta a cada ano justificam essa liderança de vários anos seguidos.

Em segundo lugar, com impressionante ascensão para 21,25 milhões de visitantes em 2016 e um crescimento anual de cerca de 10%, está Bangkok, capital da Tailândia.

O ranking é baseado na pesquisa da Euromonitor em cem países e é baseado nas pesquisas sobre os visitantes que passam 24 horas ou mais em uma cidade.  

“As cidades asiáticas estão dominando os 100 destinos mundiais mais visitados , com 41 cidades em 2017, e provavelmente atingirão 47 até 2025”, informou  Wouter Geerts, analista da Euromonitor e autor principal do relatório apresentado na World Travel Market, um  dos principais eventos da indústria turística, que está acontecendo nesta semana em Londres.

Um total de 1,2 bilhão de viagens foram realizadas em todo o mundo no ano passado, com a visitação das 100 maiores cidades representando quase a metade: 46%.

Entre as metrópoles asiáticas, quem caiu foi Seul, com um declínio de quase 15% em 2017, com 7,66 milhões de visitantes esperados, o que o Euromonitor atribui a tensões entre as duas Coreias e a China.

Singapura, com 16,6 milhões, e Macau com 15,39 milhões, foram outros destaques entre as principais, que ainda registra Chengdu, na China, 12,57 milhões; Kuala Lumpur com 12,29; Tóquio com 9,27 milhões; e Phuket, no sul da Tailandia, famoso destino de praia, com 10,6 milhões e crescimento de 14%.

O crescimento na visitação das grandes metrópoles parece reservar um capítulo especial para cidades indianas. No ano que vem, Nova Deli deverá crescer 37,7% e Mumbai registrará alta de 23,5%. Neste ano, ambas já superam 7 milhões de visitantes.

No continente europeu, o desempenho tem sido fortemente afetado pelo terrorismo, com Bruxelas, Paris, Nice e Istambul registrando performances impactadas por essa situação.

O maior número de visitantes em 2016 foi para Londres, com 19,2 milhões, gastos de US$ 14,7 milhões dos visitantes e terceiro lugar na situação geral. Deverá superar os 20 milhões até o final deste ano, subindo 4%. Mais da metade de todos os visitantes internacionais que chegam ao Reino Unido visitam a capital da Inglaterra. O apelo internacional de Londres mostrou-se resistente em face de ataques recentes e também a turbulência doméstica resultante do Brexit.

Paris, com 14,39 milhões, manteve uma posição interessante, considerando os acontecimentos na área de segurança. Roma foi outra cidade europeia com um bom desempenho.

Heraklion, capital de Creta, é a vencedor europeu de 2017, registrando  um crescimento de 11,2% e  entrando na 66ª posição.

Nova York, com 13,1 milhões de visitantes, e Miami, com 8 milhões previstos, foram as cidades mais populares das Américas para os visitantes internacionais.

O relatório do Euromonitor prevê que o “mal-estar global” após a chegada de Donald Trump à Casa Branca torne o desempenho norte-americano com um futuro incerto. O México está se tornando cada vez mais popular entre os visitantes da Europa e da Ásia

As cidades que apresentaram o maior crescimento até agora neste ano foram todas fora dos Estados Unidos, com Cancún, Toronto, Cidade do México e Vancouver.

No Oriente Médio é Dubai, com crescimento de 11,2% e 17 milhões de visitantes neste ano, e Mecca, com crescimento de 9,8% e 8,7 milhões.

Na África, Joanesburgo é a única cidade africana sub-saariana que comparece no top 100.