“Portugal é um ótimo pais para investidores. Sua estabilidade política e econômica e menos burocracia são atrativos para que mais se invista por aqui”. Com este pronunciamento de abertura, o primeiro ministro Antonio Costa inaugurou o World Summit Award que transforma a capital portuguesa durante toda esta semana e que apresentou como grande novidade a proposta do governo de conceder visto de residência para os investidores, o ‘Startup Visa’, a partir de janeiro do ano que vem.

Com mais esta facilidade, Portugal pretende atrair mais investimentos com talento e capacidade, como ressaltou o ministro luso da Economia, Manuel Caldeira Cabral. Nos últimos dois anos, 46% dos empregos criados no pais tiveram respaldo deste avanço tecnológico no qual o governo investiu 200 milhões de euros.

Mais de 60 mil participantes, 10% são portugueses e a metade de mulheres, vindos de 170 países, garantem um movimento que gera ocupação superior a 80% na hotelaria de Lisboa e enseja um evento que ganha destaque mundial. Nos quatro dias, o Altice Arena e a FIL (Palácio de Feiras) no Parque das Nações.

Portugal também ganha destaque como cenário ambiente pois 20 mil empresas estão representadas, 1500 mentores e investidores, cerca de mil oradores. Nomes de fama mundial – como Al Gore, ex-vice-presidente norte-americano, Brad Smith, presidente mundial da Microsoft e Antonio Gutierrez, o português que preside o Conselho de Segurança da ONU - formam na seleção, entre muitos nomes de destaque e referência.
A cobertura do evento trouxe 2,5 mil jornalistas a Lisboa. Todos os ingressos para Summit foram adquiridos e o preço vai de 1 mil a 25 mil euros.

O World Summit Award é uma iniciativa desenvolvida pela ONU e foi criada pelo irlandês Paddy Cosgrave, em Dublin há quase uma década.  Foi no evento que a ideia apresentada do Uber ganhou investimento.

Esta é a segunda edição que acontece em Lisboa, onde serão apresentados os 40 melhores projetos mundiais de startups, destaques entre os inovadores digitais que respondem aos desafios da sociedade, responsabilidade social e cidadania, e foram selecionados entre mais de 400 concorrentes.

O evento que começou em Lisboa é apontado como o maior da Europa e uma das três maiores do mundo, por seu cruzamento entre tecnologia, artes, turismo e o melhor meio de fazer o futuro – ganhando.