Na próxima quarta-feira (29), as oportunidades de crescimento do setor de cruzeiros no Brasil e seus entraves – como o alto custo operacional, a carga tributária, a regulamentação e a infraestrutura portuária – estarão em debate no II Fórum CLIA (Cruise Lines International Association), na sede da Confederação Nacional do Comércio (CNC), em Brasília.

Os cruzeiros marítimos representam um grande potencial no Brasil, com impacto crescente no setor econômico das experiências de viagens e turismo. Na última temporada, geraram mais de R$ 1,6 bilhão, valor que pode crescer com melhor regulação, infraestrutura e desenvolvimento de novos destinos.

“O objetivo da CLIA é melhorar o setor, abrir portas para os destinos, fortalecer o turismo e ter uma parceria de sucesso com o país e com as comunidades, já que somos forte gerador de empregos e de renda”, diz Marco Ferraz, presidente da CLIA Brasil.

A próxima temporada na costa brasileira começa em novembro e chega com aumento de 13% na oferta de leitos. “O setor mostra grande importância para o desenvolvimento do turismo, pois gera fluxo turístico e movimenta a economia por meio das várias escalas feitas no litoral brasileiro”, acrescenta o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

Na temporada 2018/2019, pelos menos 14 portos de sete estados serão escalas dos navios – entre eles os do Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Maceió, Fortaleza e Portobelo (SC). No total, as empresas armadoras que operam no litoral brasileiro terão seus navios fazendo 585 escalas.

A CLIA Brasil atribui a expansão da oferta ao aumento da estadia dos navios na costa brasileira. Como fator contribuinte para o aumento das vendas, a entidade aponta o atrativo dos destinos, tanto os normalmente ofertados como os incluídos recentemente.

Um exemplo é Balneário Camboriú (SC), que estreou com 19 escalas na temporada 2017/18 e agora terá 27, com expectativa de impacto de R$ 45 milhões na economia local

A próxima temporada será um pouco maior, assim como os roteiros. As operadoras do setor reconhecem uma expectativa que também se reflete para passageiros brasileiros no exterior, como reconhece Estela Farina, presidente do Conselho de Administração da associação e diretora-geral da Norwegian Cruise Line (CCL), em seu escritório no país. “Estamos com uma boa expectativa de crescimento, e o setor de cruzeiros vem mostrando uma evolução continua”, considera.

No ano passado, 24,7 milhões de pessoas viajaram em cruzeiros em todo o mundo.