A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) emitiu uma nota condenando a quebra do sigilo de dados telefônicos da jornalista Andreza Matais, da Folha de S. Paulo.

O juiz Rubens Pedreiro Lopes autorizou, em 8 de novembro deste ano, o acesso aos registros de ligações de três celulares usados pela profissional na apuração de uma série de reportagens publicadas pela Folha de S.Paulo em 2012 sobre investigações na cúpula do Banco do Brasil. 

A nota continua:

"O delegado Rui Ferraz Fontes solicitou a quebra do sigilo telefônico para determinar quem foi a fonte da jornalista. Ele agiu no âmbito de uma investigação aberta a pedido do ex-vice-presidente do Banco Allan Simões Toledo, citado na reportagem. A promotora Mônica Magarinos Torralbo Gimenez, contrariando três colegas que já haviam se manifestado contrários à medida, respaldou Fontes. 

É com indignação que a Abraji vem, mais uma vez, lembrar a membros da Polícia, do Ministério Público e do Judiciário que o sigilo da fonte é uma garantia constitucional (Art. 5º, inciso XIV) e não pode ser violado. 

A Abraji repudia a decisão de Lopes e roga à Justiça que a reverta, cumprindo a Constituição Federal e observando o Estado democrático de direito em que o país ainda vive."