O Programa Resorts Educacional superou as expectativas, tanto no resultado para os participantes como na organização em geral. É lógico que o local colaborou muito, afinal eventos no Casa Grande Hotel Resort & Spa têm essa garantia pela infraestrutura e atendimento.

O novo programa colocado em prática pela Associação Brasileira de Resorts (ABR) amplia o contato com profissionais especialistas nas vendas de resorts, conhecendo mais sobre a qualidade dos empreendimentos, sua eficiência e as múltiplas razões que mostram uma média geral de 91,3% na satisfação dos clientes.

Entre os percalços da crise brasileira, o setor de resorts apresentou surpreendentes números de bom desempenho, com ocupação de 74,4% no primeiro trimestre deste ano (contra 63,5% em 2017), mostrando, além do crescimento de hóspedes, o aumento de 10,17% no RevPar. 

O evento valeu muito também pela aproximação de mercado, como indicaram o presidente e o vice da ABR, Alberto Cestrone e Sérgio de Souza. Eles confirmaram que mais três edições com esse conteúdo serão realizadas ainda neste ano. O próximo será no final do mês no Acquativa, norte do Paraná. No segundo semestre serão os outros dois, um deles certamente na região Nordeste.

“Foi muito válido”, considera Silvana Lima, do Búzios Beach Resorts, empreendimento agora com administração própria, devidamente revitalizado e que é o mais recente associado da ABR, como o maior hotel da região dos Lagos.

Até o final deste ano a ABR deve chegar a 52 associados, pois quatro resorts estão em fase final de avaliação.

A primeira edição do evento contou com a presença de mais de 60 profissionais do ramo e 17 resorts associados de 14 bandeiras. Os convidados realizaram atividades de integração recreativa nos espaços do hotel, participaram de palestra técnica com o tema “Ferramentas de Marketing para Vender Mais: do Planejamento à Prática”, e realizaram rodada de negócios. No item gastronomia tiveram um cooking show no Thay Lounge Bar, que estreou seu novo formato inspirado nas beachers club do exterior.

Com o início desse novo programa de capacitação, a associação abre-se também para a busca de melhor identificação dos hóspedes e o perfil do público, tanto que um dos focos será tecnologia, com mais ferramentas “para conhecer o máximo possível dos nossos clientes, desde a cor dos olhos”, como referiu Sérgio de Souza.

Para Cestrone, “o cliente quer se sentir cada vez mais único, e nisso nosso segmento tem tudo a ver, seja na praia, no campo, em regiões de termas e refúgios ecológicos”.

Os dois executivos, no contato com a imprensa especializada, analisaram e debateram vários aspectos relacionados ao desenvolvimento, pesquisas, perfil do consumidor e projetos do trade, entre eles a Lei Geral do Turismo, que deve ir à votação no Congresso nesta terça (12).

No item resorts, uma das questões em pauta será o de referência sobre a taxa determinada em apartamentos especiais. Os resorts têm 0,1% na taxa de ocupação para deficientes. Outro aspecto importante será a promoção brasileira no exterior. Vale lembrar que a ocupação dos resorts para hóspedes estrangeiros caiu nos últimos anos de 42% para os atuais 9%.

A principal concorrência para os resorts brasileiros é com os do Caribe. “Somos uma indústria forte dentro do turismo e podemos ser muito mais”, salienta Cestrone, que indica a venda direta como a maior representatividade, pois os clientes de resorts preferem o contato direto. E revela mais números significativos, como o de R$ 1,8 bilhão na última arrecadação geral dos empreendimentos brasileiros, com mais de 17,8 mil empregados.