Onde um presidente da República assina um decreto autorizando a mineração em território amazônico, em total desacordo com sua área técnica, ou seja, o Ministério do Meio Ambiente, mas vai e volta, vai e volta, até por fim cair na realidade?

Onde um presidente da República mente sem medo, em plena ONU, dizendo que houve diminuição do desmatamento?

Onde um presidente da República é repreendido por outro chefe de Estado pelo seu desleixo com a Amazônia?

Onde um ministro de Estado diz numa reunião da ONU que todos os compromissos que o presidente da República entregou sobre o Acordo de Paris eram apenas intenções e que o Brasil nada faria se a comunidade internacional não pagasse para o Brasil fazer? Isso mesmo, o ministro disse que, se a comunidade internacional não pagasse para o Brasil cumprir suas próprias leis, o Brasil não faria nada.

Onde a classe produtora ainda não acredita que o item sustentabilidade do seu produto será, sem dúvida alguma, o mais importante para sua competitividade?
Onde a maioria das cidades não consegue cumprir as leis federais para a destinação correta de resíduos sólidos?

Onde mais da metade da população não possui esgoto tratado?

Onde produzir um painel solar em território nacional fica quase 70% mais caro do que importá-lo?

Onde a eficiência energética não é levada a sério, mas sim se privilegia a construção de novas geradoras?

Onde não existe um só avião de combate a incêndio de florestas, mesmo havendo mais de 95 mil focos de incêndios em menos de um mês?

Onde um presidente de uma montadora declara unilateralmente que só haverá carro elétrico no Brasil daqui a trinta anos, enquanto o mundo prevê a disrupção em no máximo cinco anos?

Onde os rios poluídos consomem recursos intermináveis e não são despoluídos – e, pior, os mesmos rios ainda recebem esgotamento sem tratamento e clandestino?

Onde não se protegem os povos tradicionais indígenas?

Onde a ciência está totalmente sucateada, com raríssimas exceções de alguns verdadeiros heróis?

Onde os hortifrútis são produzidos a milhares de quilômetros de onde serão consumidos?

Onde existem milhares de hectares de terras degradadas e ainda se busca fazer mais desmatamento?

Onde se privilegia a educação universitária em detrimento da educação básica?

Onde político e funcionário público se acham donos do poder e não meramente servidores da população?

Pense bem, brasileiro: que país é este?