Todos sabemos que o grande desafio futuro da humanidade é a geração de empregos, principalmente aqueles que preservem o equilíbrio socioeconômico-ambiental para assegurar uma melhor qualidade de vida aos trabalhadores e aos cidadãos do mundo.

Entretanto, para chegarmos a esse patamar de qualidade de empregos, precisamos manter o acréscimo da temperatura mundial em, no máximo, 20 Celsius.
Para permanecermos nesse limite de temperatura, precisaremos fazer com muito afinco uma transição de modelo econômico: sair da economia fóssil e passar para a economia verde exigirá essa transição. Nela, teremos perda de empregos na economia fóssil e ganho de novos empregos na economia verde, principalmente na questão energética. 

A expectativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) é de que esse balanço seja positivo em favor da economia verde, com a geração de 18 milhões de novos empregos graças ao incremento do uso do carro elétrico e da implementação de eficiência energética nos edifícios antigos e novos.

A adoção de técnicas sustentáveis para a produção local de alimentos também poderá trazer um incremento não só de emprego, mas de renda para os pequenos e médios proprietários rurais.

Com a implementação das políticas da economia circular (Reúse-Recicle-Repare), a OIT estima a criação de outros seis milhões de empregos.
Cerca de 1,2 bilhão de empregos estão diretamente ligados à boa saúde ambiental do planeta, especialmente nos setores agrícola, da pesca e florestal.

No Brasil, temos um programa, hoje sob o comando da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, chamado Município Verde Azul, que premia os municípios que implementam projetos sustentáveis. Entretanto, esse projeto ainda está relegado ao terceiro escalão da secretaria. Embora seja muito bem gerido, carece de melhor infraestrutura e vontade política para que seja transformado na guia mestre de uma política pública que preserve o equilíbrio socioeconômico-ambiental e traga com sucesso o tão aclamado desenvolvimento para a eliminação da pobreza de forma absoluta.

Agora pergunto ao eleitor brasileiro: você tem ouvido algum candidato a qualquer posto nas próximas eleições falar sobre emprego verde?

Até agora eu não ouvi nenhum. E isso é um mau sinal. Sinal de muito atraso para um país.