Em 2016, de cada dez contratações, três foram de jovens com até 24 anos, apontam dados do levantamento feito pelo Sebrae com base nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Os pequenos negócios incorporaram ao seu quadro de trabalhadores 2,8 milhões de jovens, número 53% superior ao das médias e grandes empresas, que contrataram no mesmo período 1,8 milhão de pessoas nessa faixa etária. 

"Os pequenos negócios são uma oportunidade para o primeiro emprego. Muitas grandes empresas não têm interesse em capacitar um jovem, e são nas menores que eles encontram a chance de começarem uma carreira", afirma o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Ele ainda ressalta que a conquista do primeiro emprego torna os jovens mais felizes e preparados. "A falta de oportunidade de emprego cria no jovem um sentimento de frustração e de impotência, pois ele não consegue visualizar uma luz no fim do túnel". 

O setor de pequenos negócios que mais incorporou jovens aos seus quadros foi o do comércio, que assinou a carteira de 1,1 milhão de trabalhadores dessa faixa etária (40% do total de admissões do setor).

Já os pequenos empreendimentos do setor de serviços contrataram 954 mil pessoas desse grupo.

O Estado em que as micro e pequenas empresas mais contrataram jovens foi São Paulo, com 776 mil, seguido por Minas Gerais (338 mil) e Paraná (232 mil).

De acordo com o levantamento do Sebrae, a faixa etária que mais teve contratações nos pequenos negócios foi a de 25 a 39 anos, com 47,5%. Já a faixa de idade entre 40 e 64 anos respondeu por 21% das admissões. "Esse resultado era esperado, pois essa é a idade que os trabalhadores estão no auge da sua força laboral", destaca Afif.