O secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, criticou neste sábado (3) a China e a Coreia do Norte durante a cúpula de segurança Ásia-Pacífico, que está sendo realizada em Singapura.

Para Mattis, Pyongyang e suas ambições nucleares são "uma ameaça para todos" e, portanto, a China deveria ver seu aliado mais como um fardo.

Além disso, ele assegurou que Washington está convencido da necessidade de cooperar com a desnuclearização internacional, mas pediu para que essas palavras sejam convertidas em ações práticas. "O presidente Trump tem sido claro ao afirmar que a paciência estratégica já acabou", afirmou, referindo-se à Coreia do Norte, que segundo ele avança na construção de mísseis capazes de ameaçar os EUA.

"Estamos trabalhando na diplomacia, na economia, estamos esgotando todas as alternativas possíveis para deter essa corrida para ter uma arma nuclear que violaria as restrições impostas pela ONU às atividades (militares) da Coreia do Norte", acrescentou o político. "Temos que deter esse processo, é algo urgente". 

Outros conflitos

Mattis também comentou as disputas no mar ao sul da China, afirmando que os Estados Unidos não vão aceitar a indiferença demonstrada pela potência asiática ao não respeitar resoluções sobre o controle de áreas que são reivindicados por Malásia, Vietnã, Brunei, Filipinas e Taiwan. "Não podemos nem queremos aceitar mudanças unilaterais e coercitivas no status quo da região", afirmou.

O secretário de Defesa assegurou que o governo Trump irá trabalhar em estreita colaboração com Taiwan em questões relacionas à defesa, para garantir que as disputas entre a China e a também chamada República da China (outro nome dado a Taiwan) cheguem a uma "solução pacífica".

No entanto, ponderou que a China e os Estados Unidos "podem e devem cooperar em benefício próprio" e convidou o país asiático a trabalhar em conjunto nas questões sobre as quais têm uma visão comum.

Vea más noticias de aquí