Por Peter Haapaniemi, da Universidade de Miami.

Para os CEOs, a comunicação é uma habilidade fundamental e cada um leva seu estilo pessoal para essa tarefa. Mas, independentemente da pessoa em questão, as comunicações dos CEOs tendem a evoluir ao longo da sua permanência do cargo.

Essa é uma conclusão fundamental de um estudo realizado por Dhananjay Nanda, professor de Contabilidade da Faculdade de Administração de Empresas da Universidade de Miami, e de dois professores assistentes, Khrystyna Bochkay e Chychyla Roman.

Trata-se do primeiro estudo a examinar como a comunicação dos CEOs evolui com o tempo, diz Nanda. Os pesquisadores analisaram os estilos de comunicação de 670 diretores executivos recém-nomeados, todos eles contratados por empresas que estavam passando por momentos ruins, não trabalhavam anteriormente na empresa, eram jovens e não tinham experiência em cargos executivos.

Os pesquisadores fizeram um acompanhamento de suas teleconferências sobre os resultados trimestrais entre 2006 e 2014. Essas chamadas, afirma Nanda, "proporcionam uma forma ideal de analisar os estilos de comunicação, porque contêm declarações preparadas com antecedência pelos CEOs e suas respostas espontâneas às perguntas". Usando técnicas de análise de texto, os pesquisadores observaram dois atributos-chave da comunicação nas teleconferências: orientação para o futuro e otimismo.

A análise revelou que os CEOs começaram suas teleconferências com níveis bastante elevados de otimismo e visão voltada para o futuro, mas ao longo da sua permanência no cargo essas características foram sendo perdidas. De fato, afirma Nanda, a deterioração nesses tipos de comunicação é "estável, trimestre após trimestre, com uma média anual de 13%". Os pesquisadores também concluíram que o número de palavras positivas utilizadas na comunicação oral por CEOs diminui ao longo do tempo, enquanto o número de palavras negativas aumenta.

Para fazer uma comparação, os pesquisadores também analisaram os estilos de comunicação de outros executivos de nível C, como CFOs e COOs. Nesses casos, eles descobriram que os estilos não se alteraram durante o tempo de permanência no cargo.

Por que o estilo de comunicação dos CEOs se altera? Não tem nada a ver com a visão da empresa. Pelo contrário, isso ocorre porque essa mudança atende às necessidades tanto dos executivos como do público.

"Os investidores e os funcionários estão mais interessados ​​em ouvir informações sobre o futuro e um tom otimista quando há maior incerteza sobre a pessoa que está na liderança", afirma Nanda. "Essa incerteza diminui à medida que os CEOs se enraízam em seus cargos, havendo menor demanda dessa informação por sua parte".

Os CEOs, afirma Nanda, começam a exercer as suas funções com um alto nível de preocupação sobre como são vistos. "Eles acham que anunciar informações negativas terá um impacto negativo em sua imagem", diz Nanda. "Mas quando se sentem seguros no cargo, mostram-se mais receptivos a analisar a informação negativa. Não vai ter um impacto tão negativo em suas carreiras".

Estes CEOs mais jovens e menos experientes naturalmente lutam contra uma quantidade considerável de incerteza entre os seus ouvintes. Os pesquisadores descobriram que esses CEOs também tendem a ser mais comunicativos em relação a estratégias e ao futuro, e mais otimistas do que os CEOs em geral.