O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio "Lula" da Silva afirmou nesta terça-feira (11) que pretende concorrer a um novo mandato nas eleições do ano que vem, horas depois de ser acusado de corrupção pelo ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, que disse ter pago R$ 13 milhões em espécie para Lula. 

"Estou disposto a voltar a ser candidato" nas eleições de 2018, diz Lula em vídeos que compartilhou nas redes sociais. "Acredito sinceramente que o povo brasileiro tem nostalgia da época em que eu era presidente da República", disse o líder do Partido dos Trabalhadores (PT).

Lula governou por dois mandatos entre os anos de 2003 e 2010 e aparece como favorito para as próximas eleições presidenciais, de acordo com as duas últimas pesquisas de opinião publicadas pelas agências Ibope e Ipsos.

Os advogados do ex-presidente negaram as declarações de Odebrecht e disseram que o Instituto Lula "nunca teve outra sede ou terreno".

"O ex-presidente Lula teve os sigilos fiscal e telefônico quebrados. Sua residência e de seus familiares foram invadidas e mais de 100 testemunhas foram ouvidas sem ser encontrado qualquer quantia indevida paga por qualquer empresa", diz um comunicado.

As doações da Odebrecht a centros de estudos de ex-presidentes parece ser algo normal, já que também foram feitas para o Instituto Fernando Henrique Cardoso.

Além disso, Odebrecht contratou Lula para fazer palestras sobre seu período como presidente, durante a gestão de Dilma Rousseff (2010-2016).

Lula é processado no caso de corrupção denominado Lava Jato, no qual irá depor mês que vem.