Na península da Coreia já está ancorado o porta-aviões USS Carl Vinson, dos Estados Unidos. Por meio de um breve comunicado, o Comando do Pacífico (Pacom) confirmou nesta sexta (19) que o porta-aviões Ronald Reagan, cuja base é Yokosuka (região no leste da costa do Japão), já começou um patrulhamento constante em torno do Pacífico ocidental.

Embora o Pacom tenha esclarecido que as embarcações não estão próximas uma da outra, é incomum que os EUA enviem dois porta-aviões nucleares para um mesmo "teatro de operações". 

O envio parece ressaltar a preocupação do Pentágono em relação à Coreia do Norte, que no domingo passado lançou um míssil de médio alcance com um poder de fogo que demonstra os progressos de Pyongyang no sentido de criar um míssil intercontinental atômico que possa atingir o território dos EUA.

Manobras com a Marinha sul-coreana

Embora os EUA não queiram esclarecer o motivo da decisão, o Carl Vinson - enviado ao Mar do Japão no mês passado como advertência por causa dos frequentes testes de armas norte-coreanos, sobretudo mísseis com capacidade nuclear - acabou permanecendo na região após o último lançamento balístico norte-coreano. 

Um porta-voz do Ministério da Defesa da Coreia do Norte disse que o Carl Vinson está realizando exercícios com a Marinha sul-coreana no Mar do Japão.

Uma fonte do governo afirmou que existe a possibilidade de que ambos os porta-aviões realizem manobras conjuntas com as tropas sul-coreanas no início de junho. A fonte mencionada também disse o Ronald Reagan deve chegar ao Mar do Japão nos próximos dez dias.

Os seguidos testes de armamentos norte-coreanos têm levado a um endurecimento da retórica de Washington após a chegada ao poder, em janeiro, de Donald Trump, cuja administração cogita a possibilidade de realizar ataques preventivos se Pyongyang não abandonar seu programa nuclear e de mísseis.

Vea más noticias de aquí