Em reunião com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, apoiou a posição norte-americana de manter "todas as opções abertas" diante dos rompantes armamentistas da Coreia do Norte.

"Temos de resolver (a crise) de forma diplomática e pacífica, mas o diálogo que não gera resultados não faz nenhum sentido", disse o premiê japonês, Shinzo Abe, ao vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante o primeiro ato oficial da visita ao Japão do número dois da Casa Branca.

Pence considera a situação "complicada que vivem os japoneses diante das crescentes provocações" de Pyongyang, afirmando que Washington está "100%" com seu aliado.

O presidente dos EUA, Donald Trump, "está determinado a trabalhar de forma próxima com Japão, Coreia do Sul e todos os aliados da região, inclusive a China, para alcançar uma solução pacífica à situação da Península Coreana e sua desnuclearização", disse Pence.

"Os Estados Unidos sempre buscam a paz, como o Japão. Mas todos nós sabemos que a paz é alcançada por meio da força", disse o vice-presidente dos Estados Unidos, que também destacou a "solidez inabalável" da aliança bilateral em matéria de segurança.

Abe também sugeriu que fosse aumentada a pressão sobre Pyongyang e elogiou Trump por estar "tomando medidas com todas as alternativas sobre a mesa, em vez de apostar na" paciência estratégica", disse o líder japonês em alusão à política aplicado contra a Coreia do Norte pela administração Obama.

Alertas e comunicados, de Tóquio e Pequim. O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, chegou terça-feira (18) no Japão para uma visita oficial de dois dias, nos que os recorrentes exercícios militares norte-coreanos e a cooperação econômica serão os principais pilares da sua agenda política.

Enquanto isso, de Pekín, o ministro chinês de Asuntos Exteriores, Wang Yi, consideró en esta misma jornada que el uso de medios pacíficos "segue sendo a primeira opção" dos países envolvidos na crise por causa dos programas armamentísticos da Coreia do Norte.

Mientras, desde Pekín, el ministro chino de Asuntos Exteriores, Wang Yi, consideró en esta misma jornada que el uso de medios pacíficos "sigue siendo la primera opción" de los países implicados en la crisis por los programas armamentísticos de Corea del Norte.

O ministro chinês lembrou que os Estados Unidos "Também reafirmaram sua disposição de recorrer a meios diplomáticos" como "primera opção", inclusive quando ciente de que "há outaras opções sobre a mesa". Por isso, Wang insistiu na postura chinesa de ver essa crise como uma oportunidade para retomar as negociações. "Quanto mais tensa a situação, mais importante é para nós buscar oportunidades para retomar o diálogo", disse.

 

Vea más noticias de aquí