Brasil. O Ministério Público Eleitoral (MPE) do Brasil pediu na segunda-feira (29) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a cassação do mandato do presidente Michel Temer e a inelegibilidade da ex-presidente Dilma Rousseff por abuso de poder econômico e político nas eleições de 2014.

A suspensão temporária à entrada da carne no Brasil não deveria afetar o preço significativamente, porque estamos em uma época sazonal de alta oferta de gado e que as ofertas de Paraguai, Argentina, e Uruguai também são normais", explicou. 

A informação, que segue sob segredo de justiça, foi divulgado nesta quarta-feira (29) pela imprensa local, citando fontes próximas às investigações.

A previsão é de que o TSE irá dedicar na próxima semana quatro sessões para analizar o caso, duas extraordinárias e duas ordinárias, o que pode levar à queda de Temer e à convocação de eleições indiretas.

No entanto, Chile deve agir com mais firmeza em relação às ameaças do ministro da Agricultura do Brasil, Blairo Maggi, que anunciou que se o Chile fizer um bloqueio à carne brasileira, o país irá exercer medidas coercitivas com a entrada de frutas e peixes chileno ao seu país. Penalidade que teria o apoio do presidente Michel Temer.

Para Jürgensen, o Chile deve agir de forma soberana e forte a este tipo de represália. "Uma vez que está em risco a saúde de nosso povo e com a saúde não se brinca". O executivo lamentou que tais escândalos trazer para o debate o valor da ética nos negócios e colocar na balança "a reputação de pessoas e nos lembrar que não vale tudo para ser competitivo", afirmou.

"Por isso, podemos notar entre os consumidores a necessidade de valorizar a retidão, a ética e a moral nos negócios e que o produto não seja apenas qualificado pelo seu preço, mas também pela reputação da indústria e de seus profissionais", concluiu.