Diversas empresas cubanas estão tentando expandir o comércio com a Venezuela.

Com esse objetivo, avaliam as possibilidades de ampliar as parcerias no encontro empresarial Venezuela-Cuba, que teve início na terça-feira (14) e termina nesta sexta (17).

O presidente da Câmara de Comércio de Cuba, Orlando Hernández, disse que os representantes das empresas da ilha estão muito satisfeitos porque todos encontraram fornecedores. Segundo ele, os empresários perceberam que os produtos têm uma boa qualidade e que as condições para as transações podem ser viáveis.

"Até agora são negociações concretizadas, mas são áreas onde existem possibilidades, entre elas a de embalagens de alumínio e papelão, tintas e produtos químicos", disse. 

O foco da reunião é a exportação de produtos da Venezuela e uma das participantes é a empresa cubana que faz todas as compras para o setor de turismo, de alimentos a mobília. Também irá participar a empresa Cuba Metales, responsável pela compra de aditivos e lubrificantes derivados do petróleo e empresa que importa alumínio alumínio para as latas de cerveja e refrigerantes.

Os representantes da câmara entraram em contato com instituições financeiras venezuelanas que podem ter um papel fundamental para concretizar as negociações, disse. Entre elas está o Bancoex e o Banco Bicentenário.

Para Hernández, uma vantagem significativa é que ambos os países integram o Acordo de Complementação Econômica nº 41, que isenta o comércio de tarifas.

A Câmara de Comércio de Cuba foi criada em 1963. Seu objetivo é contribuir para a internacionalização das empresas cubanas e agora apoiar a promoção da ilha como um destino para o investimento estrangeiro.

Ela tem um total de 700 empresas associadas e é a responsável por organizar e desenvolver a participação cubana nas feiras internacionais.