México. Giant Motors, a empresa de automóveis de Carlos Slim, vai iniciar a produção de veículos no México por meio de uma joint venture com a chinesa Jac Motors para vender os produtos no mercado latino-americano.

A notícia chega em um momento em que as montadoras têm sofrido as consequências da política de Donald Trump denominada "America First", porque realizam a produção dos seus veículos nessa nação de baixo custo.

Esta associação será coroado nesta terça-feira (28) com o lançamento de dois modelos de carros populares fabricados na China, com o objetivo de corresponder ao aumento da demanda do mercado automotivo local. 

Gigantes Motors, a montadora mexicana de Slim, irá focar no mercado doméstico e nas exportações para nações do sul, em vez de focar nos EUA. "Nós não dependem do Nafta para nada, nem para exportar ou nos abastecer", disse Ekías Massri, gerente-geral da Giant Motors. "Para nós, aqui é o lugar onde estão as oportunidades".

O investimento, que chega a US$ 230 milhões, ocorre durante um período de incertezas em relação ao Nafta que pressiona o México a diversificar suas importações e exportações, hoje em dia muito dependentes do mercado dos EUA. Também mostra que a China aposta no México como uma espécie de entreposto para o resto da América Latina.

Atualmente, o México exporta carros para 44 países, graças a uma dúzia de acordos de livre comércio, e o país é usado por empresas como a Audi (e em breve a BMW) como uma base para exportações globais.

A Giant, junto com JAC e Chori, uma empresa japonesa que também está envolvida no projeto, iniciaram um diálogo há dois anos, "antes da tempestade", incentivados pelo rápido crescimento do mercado automotivo mexicano, diz Massri.

O setor teve um ano bem-sucedido em 2016, com vendas no mercado interno subindo 6,5% em fevereiro em relação ao mesmo período do ano anterior.

A companhia de investimentos de Carlos Slim, a Ibursa, detém metade da Giant, que produz caminhões e utilitários com a empresa chinesa FAW por meio de uma joint venture, há 10 anos. Agora, irá montar os carros da JAC na mesma fábrica do Estado de Hidalgo.

"Nós ainda não somos grandes o suficiente para exportar aos Estados Unidos, já que isso exigiria um nível mais elevado de investimento. E para piorar queremos ser um hub de exportações para a América Latina", diz Massri.

A empresa de Slim também está desenvolvendo um outro projeto que pretende desenvolver táxis elétricos e espera lançar mais dois modelos da JAC ainda este ano.

O objetivo da Massri é produzir 6.000 unidades de automóveis e caminhões até 2021.