Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Riverside (EUA), desenvolveram um material de autocura, transparente e altamente elástico que pode ser ativado eletricamente e usado para melhorar as baterias, dispositivos eletrônicos e robôs.

A equipe de químicos parece ter dado um grande passo na resolução de um drama corriqueiro, já que a tecnologia permite a autorregeneração de avarias causadas pela queda na tela dos smartphones.

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Advanced Material e o químico Chao Wang, autor do artigo, disse que esse é apenas o começo da exploração das aplicações.

Inspirado na cicatrização de feridas na natureza, o material recupera os danos causados pelo desgaste, prolongam o tempo de vida e diminuem o custo dos dispositivos.

À base de polímero elástico e sal iônico, o material tem aplicações potenciais em uma ampla gama de campos como, por exemplo, dar aos robôs a capacidade de regeneração após falha mecânica, estender a vida útil das baterias de íon de lítio usadas em eletrônicos e carros elétricos e, ainda, melhorar biossensores utilizados no campo médico e monitoramento ambiental.

Feito de borracha macia e de baixo custo, é fácil de produzir. O material pode se esticar até 50 vezes o comprimento original e, após cinco minutos de cura, tem a capacidade de ser estirado duas vezes o seu tamanho original.