Uma onda de ataques cibernéticos está afetando sistemas e infraestrutura de TI de ao menos 74 países nesta sexta-feira (12) sendo que alguns, como o Reino Unido, já teve mais de uma dezena de hospitais e centros médicos afetados. 

A empresa russa de segurança digital Kaspersky estimou que foram feitos mais de 45 mil ataques cibernéticos realizados por meio de ransomware, afetando a infraestrutura de 74 países.

"Até agora registramos 45 mil ataques em 74 países e os número continuam a subir" publicou Costin Raiu, diretor global da equipe de investigação e análise do Kaspersky Lab em sua conta no Twitter.

Raiu disse que o ciberataque já atingiu países como Espanha, Turquia, Ucrânia e Rússia.

Ataques indiscriminados

A primeira ministra britânica, Theresa May, afirmou que as falhas sofridas por hospitais e centros médicos no Reino Unido foram causadas por um "ataque internacional" mais amplo. "Ele não foi dirigido contra o NHS (o sistema de saúde público britânico). É um ataque internacional que afetou muitos países e organizações", disse à BBC.

Os sistemas de informática de vários hospitais e centros médicos britânicos, sobretudo da Inglaterra, foram bloqueados por um ataque em grande escalavários hospitais britânicos e centros médicos, principalmente na Inglaterra, foram bloqueados por um ataque cibernético em larga escala forçada a deriva ambulâncias e pacientes de emergência a outros centros e cancelar visitas.

O ataque cibernético foi "indiscriminado", afetou outros países e é "particularmente virulento", porque combina um "malware" com um sistema de propagação usando uma vulnerabilidade da Microsoft, afirmou Agustín Muñoz Grandes, CEO da S21sec, empresa espanhola especializada em segurança cibernética.

Telefónica também é afetada

Na Espanha, o governo confirmou que foram realizados diversos ataques a companhias do país, entre elas a Telefónica, embora não tenham chegado a comprometer a prestação de serviços aos usuários nem a operação das redes. 

A Telefónica começou a desligar os computadores de sua rede corporativa como medida preventiva após detectar problemas em dezenas de dispositivos por causa de um vírus. Outras companhias, como Iberdrola, Vodafone e Indra, também adotaram medidas preventivas. 

Enquanto isso, o Instituto Nacional de Cibersegurança da Espanha (Incibe) realizou um diagnóstico do que ocorreu com as empresas afetadas e ofereceu ajuda para solucionar os problemas, assim como assessoria a outras companhias de forma preventiva, de acordo com informações do ministério. 

O instituto também afirmou que as equipes de resposta a incidentes cibernéticos nacionais estão em contato com as empresas afetadas.

O Incibe explicou que os ataques em massa foram provocados por um vírus do tipo "ransomware", que após ser instalado no equipamento bloqueia o acesso ao sistema operacional e solicita o pagamento de um resgate. Esse tipo de ataque se aproveita de uma vulnerabilidade do sistema Windows.

* Com informações da DW e Télam.